Arquivo da categoria: Butão

BUTÃO – O Reino Encantando nos Himalayas

A Bandeira do Butão

Era uma vez………..assim deveria começar esse “post”, como nos mais lindos contos de fadas , pois vou apresentar a vocês  um reino encantado  encravado nas montanhas dos Himalayas. Chama-se Butão,  e que tem como particularidade o bem mais precioso:  Paz e tranquilidade.

Em todos os lugares que visitamos no país, essas energias estão presentes. O povo não tem pressa, o tempo não existe mas todos estão em atividade constante.

O belissimo Templo "Ninho de Tigre" encravado na montanha

Entrada Templo Ninho de Tigre

Monasterio de Cheri

A meditação, a devoção aos elementos da natureza, a prática religiosa, o trabalho na agricultura, nos orgãos do Governo, no comércio, não são excludentes. Todas as atividades são parte do dia a dia desse povo especial.

O vermelho das roupas dos monges

A dança dos monges

O Butão está encravado entre a China e a Índia tem cerca de 650 mil habitantes. É um pequeno e fechado reino localizado nos Himlayas orientais , conhecido também como “Terra do Dragão” e sua capital é a bela cidade de Thimphu, certamente o lugar mais tranquilo do mundo, situada a mais de 2.500 m acima do nível do mar.

Faculdade de Medicina

Biblioteca Nacional

Acervo da Biblioteca Nacional

Os manuscritos , acervo da Biblioteca

O Butão é um país, onde a tradição ocupa um lugar privilegiado. Um lugar onde a natureza é a estrela principal e a lei maior que rege o país é Ser Feliz. Além de ser um dos lugares mais preservados culturalmente da Ásia, é extraordinário em diversos aspectos.

Stupas Rangjung Trashigang

Símbolo do Butão

Trashi Choe Dzong durante o Festival de Tsechu

Um desses aspectos e com certeza único no mundo, é que apesar do tamanho, demografia e isolamento, o país é assunto nas grandes Universidades do mundo, como Harvard, Oxford, etc. E a causa é um índice!!!! Ah!! Se todos os países o adotasse????

Casa típica do Butão

Chama-se FIB – Felicidade Interna Bruta, que vem a ser um índice criado na década de 70 pelo antigo rei do Butão, Jigme Singye Wangchuk. É um PIB muito peculiar que , por meio de um intrincado cálculo identifica os elementos básicos que determinam aquilo que vai proporcionar o bem estar da população, que tem que se sentir satisfeita em relação aos avanços na saúde, educação, meio ambiente, cultura e da promoção da verdade.

Noivos no Butão

Mercado

Estudantes

Os dirigentess do país, acreditam que o cálculo do progresso deve levar em conta não apenas as riquezas materiais, mas sim o bem estar do povo .
Só isso já faria desse país um lugar único e mágico. Entretando tem muito mais.

Coroação do atual Rei do Butão

O atual soberano Jigme Khesar Namgyel Wangchuck

Prédio onde funciona os escritórios do Rei

Recentemente, o rei reimplantou um antigo código “Driglam Namzha”, que estabelece comportamentos e obriga todos os cidadãos a usar os trajes tradicionais, e todas as edificações, sejam grandes monastérios, habitações particulares e até mesmo postos de gasolina, precisam adequar-se a arquitetura tradicional do país. A Lei protegendo as tradições. E o povo apóia e cumpre satisfeito.

Butanesa típica

Familia típica Butanesa

Homens com as vestes tipicas , de uso obrigatório

Os butaneses são simples, hospitaleiros e muito gentis. Não apresentam os sinais de estresse, pressa e impaciência tão comuns nas culturas ocidentais. A qualquer pergunta do tipo: “posso fazer isso?”, eles respondem invariavelmente o mesmo: “se isso te faz feliz, sim”.

A arte butanesa

Escola de Arte

A Roda de preces Budista

Escola de arte e pintura

As casas são geralmente construídas sem projeto arquitetônico, mas os butaneses fazem consultas astrológicas antes de erguer suas residências, algumas com cerca de 900 anos. A casa butanesa típica é grande. Tem geralmente quatro andares que abrigam animais (térreo), diferentes gerações da família – avós no primeiro, pais e filhos no segundo – e suprimentos de inverno.A democracia foi introduzida por vontade do rei e não por pressão do povo, como é habitual. Depois de um histórico discurso, o rei Jigme Singye Wangchuck, nas comemorações do dia nacional do país, em dezembro de 2006, abdicou a favor do seu filho e anunciou a realização de eleições democráticas.
Foi um raro caso de renúncia unilateral de um monarca ao poder, e um caso ainda mais raro de renúncia contra a vontade de seus súditos. Seu filho, Jigme Khesar Namgyel Wangchuck, foi coroado para exercer o novo papel de monarca constitucional sem poder executivo.

Os pequenos monges

Um dos Festivais do país

Os butaneses foram às urnas em 24 de março de 2008, terminando assim mais de um século de monarquia absoluta. Mesmo assim, a imagem do rei está presente em quase todas as casas, bares, restaurantes e prédios públicos do país. A família real costuma participar de todas as festividades e comemorações butanesas, atraindo grande interesse da população.
Até o nome do partido que venceu as primeiras eleições legislativas do país é único: Partido Virtuoso do Butão. Significativo não?

A arte da Henna

Festival

A variedade e colorido do artesanato butanes

O colorido do teto do Templo Chenrigzig


Outro aspecto importantissimo é a preservação da natureza e a religião, que fazem parte do cotidiano da população. O povo do Butão reverencia todos os elementos da natureza: terra,agua, fogo, ar, e a religião para eles é parte fundamental das suas vidas .. Tem 72,5% de sua área coberta por florestas, 34 rios e uma biodiversidade de dar inveja a muitos países ricos. Também abriga cerca de 2000 templos e monastérios budistas.

Um dos muitos templos do país


Os Butaneses acreditam que mente, fala e corpo têm de estar em harmonia. Eles cultuam o budismo Mahayana, que tem garantia Constitucional no país. Essa é a herança espiritual que o povo deve passar para as próximas gerações, pregando a paz, a compaixão e a não-violência. O chefe religioso do Reino, o Je Khenpo, goza de uma importância quase idêntica à do rei , sendo também respeitadíssimo pela população.

O líder espiritual do Butão

bandeiras

A imagem do Rei sempre presente

A grande maioria dos butaneses seguem o Budismo (74%), com exceção dos habitantes do sul, de origem nepalesa, que seguem o hinduísmo (21%). O budismo foi introduzido no país no século II d.C, mas só se estabeleceu como religião dominante no século VII com a visita de Padmasambava, o famoso mestre tântrico indiano.

Esporte nacional do Butão - ARCO E FLEXA

Competição de Arco e Flexa

A cultura do Butão , pode ser definida como sendo, simultaneamente, patriarcal e matriarcal e o membro que detém a maior estima é considerado o chefe da família. A população é adepta da poligamia, e isso vale para homens e mulheres. Alguns butaneses se casam com várias pessoas de uma mesma família, inclusive o antigo rei, que é casado com 4 irmãs.

Museu dos Tecidos

Aulas de tecelagem

O culto às tradições butanesas é uma política de governo e uma questão de sobrevivência. Pela sua localização, entre dois países de culturas muito fortes – China e Índia -, o Butão está suscetível a influências. Tem de preservar seus hábitos e costumes para não perder a identidade. Além disso, o país não tem seguridade social e depende dos jovens para manter seus idosos vivendo com dignidade.

Royal Buthan Airlines, um dos aviões

PARO, o único aeroporto do país

Sala de Embarque, aeroporto de Paro

Para proteger seu patrimônio cultural e ecológico, o governo faz campanhas nas escolas rurais, treina guias turísticos e controla o turismo com mão de ferro. Oficialmente, o país abriu as portas aos estrangeiros em 1974, depois de séculos de isolamento e de muitas discussões sobre impacto sociocultural promovidas pelo rei e seus oficiais.

Sua Magestade...


Turistas estrangeiros só entram no país depois de pagar uma taxa diária que varia de US$ 200 (julho e agosto) a US$ 250 (demais meses). A taxa contempla serviços de guia, hospedagem em hotel categoria turística, alimentação (pensão completa) e transporte dentro do país. A idéia não é frear o número de visitantes, mas desenvolver um turismo qualitativo e evitar que o número de estrangeiros seja maior do que o país pode abrigar em seus cerca de 1.900 quartos de hotel.

Aproximadamente 29 mil estrangeiros visitam o Butão anualmente, e cerca de 70% manifestam o desejo de voltar, segundo pesquisas do Departamento de Turismo.

Um dos Monastérios Budhistas

A moeda local é o Ngultrum e equivale à rúpia indiana, ou seja, US$ 1 = NU$ 45. Os cartões de crédito não são aceitos na maioria dos lugares e usamos dinheiro ou cheques de viagem.

Dzong de Kyercho

O Vale de Haa

O arco e flexa é o esporte nacional, onde os competidores obedecem aos rituais tradicionais, e usam, claro, vestimentas típicas. Os cigarros são proibidos no país e a televisão foi introduzida há apenas 10 anos. A capital não tem semáforos e possui apenas um policial de trânsito em serviço. Um país com um aeroporto e dois aviões comerciais, onde só é possível ir de oeste a leste, por terra , após quatro dias de viagem pelas estradas nas montanhas. O país tem fome zero, analfabetismo zero, índices de violência insignificantes e nenhum mendigo nas ruas. Não há registro de corrupção administrativa e o povo adora o rei. Incrível mas verdadeiro.

Monasterio Ninho do Tigre

Lendo um pouco sobre a história desse reino encantado, descobri que o primeiro europeu a entrar no Butão e a viajar através dos Himalayas no inverno, foi o padre Cacella e foi ele também que, pela primeira vez, descreveu aos europeus um lugar fictício chamado Shambala ,termo sânscrito que significa “paz/tranquilidade/felicidade”. O budismo tibetano também fala que existia um país ideal localizado a norte ou oeste das montanhas dos Himalayas. Foi esse mito que inspirou James Hilton a escrever o romance Horizonte Perdido com o seu Shangri-La, no século XX.

A hora mágica do nascer do sol nesse paraíso na terra

Estar nesse país é reviver as palavras de James Hilton “um lugar paradisíaco situado nas montanhas dos Himalayas, onde o tempo parece não existir, as pessoas convivem harmoniosamente e a felicidade e a saúde são permanentes”.
Assim é o Butão um paraíso terrestre encravado nos Himalayas.

Anúncios