Monte Kailash – O Caminho das Nuvens Brancas

O Monte Kailash ou Monte Kailas (tibetano: Gang Gang Tise ou Rinproche; chinês: Gangdisi Shan) é um pico impressionante nas montanhas dos Himalayas, no oeste do Tibete.

Fonte  de alguns dos maiores rios da Ásia, Kailash é uma montanha sagrada para quatro credos: hindus, budistas, jainistas e seguidores da religião tibetana indígena de Bön.

A Montanha Mágica, como é chamada,  tem cerca de  6.714 m e fica em uma das partes mais remotas e inóspitas  dos Himalayas  Tibetano. Feita de pedra negra, o pico simétrico tem uma forma semelhante ao diamante, com quatro  fachadas distintas , extremamente íngremes.

A face sul tem um corte vertical, através de suas camadas horizontais, criando a aparência de uma suástica – um antigo símbolo de boa sorte nesta parte do mundo. A Montanha nunca foi escalada porque  “ninguém pode colocar os pés sobre ela”, na crença dos milhares de devotos.

A face norte do Monte Kailash

Face sul do Monte Kailash

A paisagem ao redor da montanha é áspera e seca, mas ao mesmo tempo é atravessada por riachos cristalinos azuis e lagos.Perto da montanha sagrada está localizada a  fonte dos rios hindus Sutlej e Bramaputra e em seu lado sul  existem dois lagos de água doce, sendo um deles o altamente sagrado, para todas as crenças, o Lago Manasarowar (Mapam).

Lago Manasarovar com o monte Kailash ao fundo

O Lago sagrado Manasarovar

 Com uma altitude de cerca de 4.950  acima do nível do mar,  o lago  Mansarovar  é o maior e mais alto Lago de água doce do mundo. O outro lago, Rakshastal, também tem um significado lendário.

Segundo a mitologia hindu, Shiva, o deus da destruição e regeneração, residia  no cume de uma  lendária montanha  chamada Kailasa. Portanto, o Monte Kailash é considerado pelo hinduísmo como o paraíso, o destino final das almas e o centro espiritual do mundo.Algumas tradições dizem que a montanha representa  o lingam (uma das formas) de Shiva,  enquanto o Lago Manasarowar é a yoni ( uma das formas)  de sua consorte Parvati.

A importância desta montanha sagrada , no hinduísmo se reflete, entre outros lugares, nas famosas  Grutas de  Ellora , na Índia, onde em uma das rochas  ,no maior   e mais importante templo,  é dedicada ao Monte Kailash.Os budistas tibetanos acreditam que Kailash é a casa do Demchok Buda (também conhecido como Demchog ou Chakrasamvara), que representa a felicidade suprema. Eles também dizem que foi na montanha sagrada  que o Budismo Bön foi considerado como a religião principal do Tibete.

Face Oeste da Montanha Sagrada

Segundo a lenda, o grande mestre Milarepa,  chegou ao Tibet para desafiar Naro-Bonchung, representante do Bön. Os dois mágicos envolvidos em uma grande batalha de feiticeira, mas não tiveram, dessas batalhas,  uma vantagem decisiva.

Mestre Milarepa, que introduziu o Budismo no Tibet

Finalmente, foi acordado que quem chegasse  primeiro  no topo do Monte Kailash,  seria o vencedor. Enquanto Naro-Bonchung  subiu a encosta em um tambor de mágica, os seguidores de Milarepa ficaram chocados ao vê-lo sentado ainda e meditando.No entanto, quando Naro-Bonchung estava quase no topo, Milarepa de  repente entrou em ação e alcançou-o andando sobre os raios do sol e  assim ganhou o concurso e trouxe então  o budismo para o Tibet.

O deus Shiva

No Jainismo, Kailash é conhecido como Monte Ashtapada e é o local onde o fundador de sua fé, Rishabhadeva, alcançou a libertação do renascimento.

Peregrinos

No Bön, a religião que antecede o budismo no Tibet, acredita-se que a montanha é a morada do Sipaimen deusa do céu.

Todos os anos, milhares de pessoas fazem uma peregrinação ao Monte Kailash, seguindo uma tradição que remonta há milhares de anos. Peregrinos de várias religiões acreditam que andando em torno do  Monte Kailash irá remover pecados e trazer boa sorte. A peregrinação ao redor da montanha sagrada é chamada o Kora Kailash.

Como alternativa, os peregrinos que fazem esse caminho  e além disso banham-se  nas águas geladas do lago Mansarovar também consegueriam a salvação.

Não se pode escalar  o Monte. Kailash, todos as quatro religiões acreditam que seria um ato grave de sacrilégio  pôr o pé em suas encostas. Diz a lenda que a única pessoa a ter alcançado o cume  foi Mestre  Milarepa (que voou para o topo no século 12) e que todos os outros que se aventuraram a desafiar o tabu já morreram no processo.

Cidade de Darchen, inicio e final da caminhada

O caminho acidentado em torno do Monte Kailash é de 52 km e as altitudes variam de 4 mil pés no início para mais de 5 mil  na passagem Dolma.  A caminhada  é feita no sentido horário por budistas e hindus, mas anti-horário por seguidores das religiões Jain e Bön.

Peregrinos

Uma viagem típica dura cerca de três dias e há poucas comodidades modernas, ao longo do caminho,  tais como bancos, áreas de repouso e quiosques refresco, para ajudar os peregrinos em sua caminhada de devoção.

A caminhada (Kora) é iniciada partindo da cidade de Darchen, visitando o Mosteiro Drirapuk na primeira noite, cruzando Dolma La Pass e chegando ao Mosteiro Zutrulpuk segunda noite, e, finalmente, voltando a Darchen no terceiro dia.

Os alojamento nos mosteiros nem sempre estão disponíveis, assim  os viajantes devem levar barracas e alimentos. Para ajudar com a carga, os iaques e carregadores podem ser contratados em Darchen .

É uma jornada muito especial, com trechos muito difíceis mas  que os peregrinos que  chegam, para fazer o Kora, estão ali movidos por uma força maior . E a magia do “caminho das nuvens brancas” , se  revela a cada passo.

Anúncios

Publicado em 31 de agosto de 2012, em Tibet e marcado como , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 4 Comentários.

  1. eduardo barcelos

    nao consegui achar o lugar pelo google earth, eh possivel me passar as coordenadas exatas do wesak valey?

  2. quero planejar-me para ir com minha esposa a este sagrado lugar. Sabem como contatar alguém no Brasil que tenha a experiência de levar pessoas para lá?

  3. Fantástico!!! Gratidão pelos registros aqui publicado.
    Apenas passeando pelas imagens pude sentir uma conexão significativa.
    Imagine estar lá de corpo físico?!
    Muito especial, mesmo.
    Lidia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: